FundaÁ„o Oswaldo Cruz

Webmail

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ

Destaques da Biblioteca de Hist√≥ria das Ci√™ncias e da Sa√ļde

 

 

 

Uma proposta de Política Nacional de Memória da Ciência e Tecnologia: relatório da Comissão Especial constituída pela Portaria 116/2003 do Presidente do CNPq em 04 de julho de 2003.

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENT√ćFICO E TECNOL√ďGICO. Uma proposta de Pol√≠tica Nacional de Mem√≥ria da Ci√™ncia e Tecnologia: relat√≥rio da Comiss√£o Especial constitu√≠da pela Portaria 116/2003 do Presidente do CNPq em 04 de julho de 2003. Bras√≠lia, DF: CNPq, 2003. 204 p.
 

 

Re√ļne as conclus√Ķes dos trabalhos da Comiss√£o Especial nomeada pela Presid√™ncia do CNPq para propor uma Pol√≠tica Nacional de Preserva√ß√£o da Mem√≥ria da Ci√™ncia e da Tecnologia.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

The Wellcome Trust illustrated history of tropical diseases.

COX, F. E. G. The Wellcome Trust illustrated history of tropical diseases. London: Wellcome Trust, 1996. 453 p.

 

 

 

 

This volume is organised around pathogens, with sections on the major parasitic diseases, a selection of bacterial and viral infections, and a concluding section on nutritional disorders. The book is illustrated with maps, old prints, early drawings of organisms, and numerous photographs of the great men of tropical medicine. The accompanying text is well written and conveys the challenge of establishing parasite life cycles and vectors.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

Estado e população: uma história do planejamento familiar no Brasil.

FONSECA SOBRINHO, Délcio da. Estado e população: uma história do planejamento familiar no Brasil. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1993. 203 p.

  

 


Trata-se de um tema de grande relev√Ęncia, que ajuda a entender o contexto em que se deu o r√°pido e generalizado decl√≠nio da fecundidade no Brasil a partir de meados dos anos sessenta. Tal decl√≠nio, constitui-se, sem sombra de d√ļvida, em uma das mais importantes mudan√ßas estruturais da sociedade brasileira na segunda metade deste s√©culo, com consequ√™ncias que inevitavelmente se estender√£o s√©culo XXI adentro, quando as taxas de crescimento demogr√°fico tender√£o rapidamente a valores abaixo de zero e a popula√ß√£o brasileira se envelhecer√°, em termos relativos, a um ritmo n√£o observado nos pa√≠ses do Primeiro Mundo, onde a queda da fecundidade se deu a uma velocidade significativamente menor. A distribui√ß√£o relativa dos m√©todos de anticoncep√ß√£o utilizados no Brasil est√£o a indicar, claramente, que os casais n√£o est√£o tendo acesso √†s informa√ß√Ķes e aos m√©todos que lhes possibilitam o exerc√≠cio de um direito b√°sico, aquele de definir o n√ļmero de filhos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

Uma história brasileira das doenças.

FRANCO, Sebastião Pimentel; NASCIMENTO, Dilene Raimundo do; SILVEIRA, Anny Jackeline Torres. Uma história brasileira das doenças. Belo Horizonte: Fino Traço, 2017. 7 v. 324 p. (História).

 

 

 

 

Como √© tradi√ß√£o nesse campo de investiga√ß√£o, os trabalhos aqui reunidos abordam as doen√ßas e suas hist√≥rias para al√©m de uma perspectiva eminentemente biol√≥gica, propondo enxerg√°-las como resultado de uma intera√ß√£o que congrega manifesta√ß√Ķes patol√≥gicas e os sentidos sociais a elas atribu√≠dos historicamente. Como j√° bastante discutido pela historiografia, sendo a um s√≥ tempo resultado de processos patol√≥gicos ocorridos no √Ęmbito do organismo, e experi√™ncia vivenciada por indiv√≠duos culturalmente inseridos, a doen√ßa √© um lugar de fronteira que exige um tipo de abordagem dial√≥gica, ou interdisciplinar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O c√Ęncer como problema de sa√ļde p√ļblica.

INSTITUTO NACIONAL DO C√āNCER JOS√Č ALENCAR GOMES DA SILVA; FUNDA√á√ÉO OSWALDO CRUZ. O c√Ęncer como problema de sa√ļde p√ļblica. Rio de Janeiro: INCA; FIOCRUZ, 2012. 143 p. (Depoimentos para a Hist√≥ria do Controle do C√Ęncer no Brasil, [1]).

 

 

  

 

Este livro tem a finalidade de produzir conhecimento hist√≥rico sobre o controle dessa doen√ßa no Brasil, al√©m de contribuir para a valoriza√ß√£o e a preserva√ß√£o do patrim√īnio cultural das institui√ß√Ķes ligadas ao c√Ęncer. este primeiro volume prop√Ķe-se a preencher uma importante lacuna. Quem s√£o os personagens que fizeram diferen√ßa da hist√≥ria recente do controle do c√Ęncer no pa√≠s? Quais foram as duas forma√ß√Ķes e trajet√≥rias? Quais os seus objetivos e as suas principais a√ß√Ķes? Que avalia√ß√£o fazem dos resultados alcan√ßados?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fevered measures: public health and race at the Texas-Mexico border, 1848-1942.

MCKIERNAN-GONZ√ĀLEZ, John. Fevered measures: public health and race at the Texas-Mexico border, 1848-1942. Durham; London: Duke University Press, 2012. 416 p.

 

 

 

 

 


In Fevered Measures, John Mckiernan-Gonz√°lez examines public health campaigns along the Texas-Mexico border between 1848 and 1942 and reveals the changing medical and political frameworks U.S. health authorities used when facing the threat of epidemic disease. The medical borders created by these officials changed with each contagion and sometimes varied from the existing national borders. Federal officers sought to distinguish Mexican citizens from U.S. citizens, a process troubled by the deeply interconnected nature of border communities. Mckiernan-Gonz√°lez uncovers forgotten or ignored cases in which Mexicans, Mexican Americans, African Americans, and other groups were subject to‚ÄĒand sometimes agents of‚ÄĒquarantines, inspections, detentions, and forced-treatment regimens. These cases illustrate the ways that medical encounters shaped border identities before and after the Mexican Revolution. Mckiernan-Gonz√°lez also maintains that the threat of disease provided a venue to destabilize identity at the border, enacted processes of racialization, and re-legitimized the power of U.S. policymakers. He demonstrates how this complex history continues to shape and frame contemporary perceptions of the Latino body today.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

Sa√ļde e hist√≥ria de migrantes e imigrantes: direitos, institui√ß√Ķes e circularidades.

MOTA, Andr√©; MARINHO, Maria Gabriela S. M. C; SILVEIRA, C√°ssio. Sa√ļde e hist√≥ria de migrantes e imigrantes: direitos, institui√ß√Ķes e circularidades. S√£o Paulo: Universidade de S√£o Paulo. Faculdade de Medicina, 2014. 230 p. (Mem√≥ria, sa√ļde e hist√≥ria, 5).

  

 


Se a hist√≥ria √© feita de vest√≠gios, a recupera√ß√£o do passado s√≥ pode ser reconstru√≠da por aproxima√ß√Ķes n√£o lineares. √Č desse modo, portanto, que se pretende flagrar nessa colet√Ęneas deslocamentos humanos e suas hist√≥rias em busca da sa√ļde e de uma vida plena. Ao longo dos cap√≠tulos, vamos encontrando pistas em que os analistas revelam as contradi√ß√Ķes das experi√™ncias, das tecnologias e dos debates e perspectivas historiogr√°ficas. encontram-se ali o estranhamento pelas diferen√ßas e a capacidade humana de se rearticular permanentemente para cobrir suas necessidades. Por√©m, est√° presente tamb√©m o uso recorrente das hierarquias demarcadoras dessas diferen√ßas. Sobretudo, na reitera√ß√£o pela sa√ļde do que se delimita direta ou indiretamente como os seres inferiores e superiores, estrat√©gia dos estigmas que persiste em nossas sociedades. Enfim, o debate sobre migra√ß√£o e imigra√ß√£o, articula aqui o passado e o presente e tece figura√ß√Ķes de perman√™ncias ou rupturas em torno de homens e mulheres que se defrontaram com o desafio de existir.

 

 

 

 

 

 

 

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A assistência a alienados na cidade do Rio de Janeiro (1852-1930).

OLIVEIRA, William Vaz de. A assistência a alienados na cidade do Rio de Janeiro (1852-1930). Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2017. 296 p.

 

 

 

 

 

 

Durante as primeiras d√©cadas de seu funcionamento, a Assist√™ncia a Alienados na cidade do Rio de Janeiro esteve sob os cuidados diretos da caridade religiosa. No Hosp√≠cio de Pedro II, primeiro estabelecimento destinado exclusivamente ao tratamento dos alienados no Brasil, as irm√£s de caridade estiveram √† frente dos servi√ßos pelo menos at√© 1890, quando um decreto republicano, atendendo a in√ļmeras reivindica√ß√Ķes dos m√©dicos vinculados √† Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, promoveu a desanexa√ß√£o do Hosp√≠cio da Santa Casa de Miseric√≥rdia colocando a Assist√™ncia a Alienados sob os cuidados do Estado. Somente a partir da√≠ os m√©dicos puderam exercer de fato um lugar de autoridade no processo de consolida√ß√£o dos saberes e pr√°ticas psiqui√°tricas no Brasil. Neste livro procura-se n√£o apenas compreender o processo de constitui√ß√£o da psiquiatria como um campo de saber espec√≠fico sobre a loucura, transformada em doen√ßa mental, mas sobretudo cercar os discursos, as pr√°ticas e as disputas pol√≠ticas que marcaram a Assist√™ncia a Alienados na cidade do Rio de Janeiro por quase cem anos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Brasil pelos brasileiros: relatórios científicos da Comissão Rondon.

SIQUEIRA, Elizabeth Madureira; et al. O Brasil pelos brasileiros: relatórios científicos da Comissão Rondon. Cuiabá: Carlini e Caniato, 2016. 144 p.

 

 

  

 

Apresenta os relat√≥rios cient√≠ficos elaborados pela Comiss√£o Rondon, que percorreu o Brasil entre os anos de 1907 e 1915, liderada pelo Marechal C√Ęndido Mariano Rondon, o homem que promoveu uma das maiores obras de integra√ß√£o nacional j√° vistas em nosso Pa√≠s. No livro h√° a reprodu√ß√£o dos grandes trabalhos cient√≠ficos realizados pela Comiss√£o nas mais diferentes √°reas do conhecimento, tais como Bot√Ęnica, Zoologia, Etnografia, Lingu√≠stica, Geologia, Medicina, entre tantas outras.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

¬†Entre comas, febres e convuls√Ķes: os tratamentos de choque no Hospital do Juquery (1923-1937).

TARELOW, Gustavo Querodia. Entre comas, febres e convuls√Ķes: os tratamentos de choque no Hospital do Juquery (1923-1937). Santo Andr√©: UFABC, 2013. 166 p.

 

 

 

 

 


Analisa o processo que levou √† utiliza√ß√£o das terapias de choque (convulsoterapia, insulinoterapia, piretoterapia, entre outras) no mais importante hospital psiqui√°trico de S√£o Paulo, o hospital do Juquery, no per√≠odo em que foi dirigido pelo conhecido psiquiatra Antonio Carlos Pacheco e Silva, entre as d√©cadas de 1920 e 1930. Trata, assim, de um epis√≥dio da hist√≥ria da psiquiatria paulista, procurando esclarecer como no contexto de predomin√Ęncia de teorias organicistas, tais terapias forma introduzidas e largamente utilizadas no hospital. Este estudo nos faz refletir sobre as imensas barreiras - em grande parte de natureza pol√≠tica, cient√≠fica e ideol√≥gicas - que precisam ser transpostas para que as sociedades contempor√Ęneas acolham os seus doentes e cuidem de suas ang√ļstias e sofrimentos mentais.